Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.
Informação profissional para a agricultura portuguesa
John Deere delineia 5 etapas: auto-orientação, documentação, prescrição, planeamento e automatização para corte de secções e dosagem variável

A viagem do agricultor rumo à digitalização

Redação Interempresas/Tierras/Agriterra08/07/2022
Produzir mais, fazendo-o de forma sustentável, utilizando menos recursos naturais e preservando o ambiente. Estes são desafios que o setor agrícola deve enfrentar a fim de responder a uma procura de alimentos que irá aumentar mais de 70% em algumas regiões nos próximos anos, dado o crescimento populacional estimado.
foto
A conectividade desempenha um papel decisivo nas novas máquinas agrícolas.
Para além destes desafios, marcados pelo Pacto Verde da União Europeia, existem outros desafios específicos do setor, tais como a dificuldade de encontrar talentos qualificados ou o aumento dos custos de produção. Um cenário em que a tecnologia continuará a desempenhar um papel decisivo, envolvendo a agricultura e a pecuária numa revolução quase permanente.
“Nos próximos anos, veremos uma transformação radical na produção, ainda maior do que a mudança de animais para tratores. A tecnologia é uma linha de vida para o negócio dos agricultores e produtores pecuários, mas também para grande parte da nossa economia e bem-estar. A agricultura de precisão oferece a possibilidade de mudar a nossa relação com o campo, tornando-o mais eficiente, mais sustentável e mais competitivo”, diz Eduardo Martínez de Ubago, Diretor de Negócios da John Deere Ibérica.
Este processo de transformação considera a digitalização uma ferramenta quase indispensável e a John Deere destaca os 5 pontos que um agricultor enfrenta ao longo do caminho:
  • Autoguiados. É o pai do trator autónomo e o primeiro passo na agricultura de precisão. Um sistema de orientação agrícola que permite que o trator seja conduzido automaticamente. Um bom sistema automático permite-lhe trabalhar quando precisa, à noite ou em condições de má visibilidade, e permite-lhe fazê-lo confortavelmente, sem se preocupar em conduzir enquanto a máquina desenha linhas perfeitas.
  • Documentação. Cada agricultor está consciente da importância de ter todas as suas tarefas registadas. A diferença é que o antigo caderno de campo é agora digital. O processo de documentação ocorre através de máquinas ligadas que, graças à tecnologia, estão a captar dados do campo e a enviá-los para uma plataforma de gestão que produz informação precisa para conhecer o estado ótimo da cultura e tomar decisões inteligentes, o que no final tem impacto numa redução das aplicações e dos custos de produção.
  • Prescrição. Os mapas de prescrição agrícola permitem poupanças nos consumos e otimização dos rendimentos, utilizando a informação recolhida no processo de documentação para uma aplicação seletiva de sementes, fertilizantes ou produtos fitossanitários na mesma parcela de terreno. É a 'receita' que permite à nossa máquina realizar um zoneamento da parcela de acordo com os parâmetros previamente escolhidos. Desde uma melhor tomada de decisões até uma execução mais precisa e eficiente.
  • Planeamento. Estreitamente ligado ao ponto anterior, o planeamento é o resultado de documentação e prescrição: antecipa o que vai acontecer a seguir no terreno e transmite automaticamente a informação à máquina, que se configura para a executar.
  • Automatização para corte de secções e dosagem variável. Se nas paragens anteriores falávamos de análise, com recolha de dados e tomada de decisões, agora é tempo de passar à fase de execução. Com os mapas de dosagem variável, a dose de sementeira é gerida, controlando a quantidade de semente aplicada por hectare, a fertilização da parcela ou a aplicação de produtos fitossanitários, uma das tarefas agrícolas mais demoradas e uma das mais importantes no rendimento final da cultura. Por sua vez, o controlo e corte de secções permite aumentar a eficiência, assegurando que não haja sobreposições ou omissões em qualquer uma destas tarefas.

O acesso à tecnologia já é uma exigência para os produtores. E uma necessidade para eles, independentemente do seu tamanho. Como salienta a John Deere, 95% das empresas do setor agroalimentar em Espanha, por exemplo, são PMEs, 80% das quais têm menos de 10 trabalhadores. Para qualquer um deles, um smartphone é agora suficiente para utilizar as caraterísticas básicas da agricultura de precisão e iniciar a viagem rumo à digitalização.

Iaas-UtadAtlas – Mediadora de Seguros Lda.Agrogarante - Sociedade de Garantia Mútua, S.A.Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.Cnema – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas, S.A.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial