Os controladores de nivel
Informação profissional para a agricultura portuguesa

Avanços na investigação e aumento da competitividade através do apoio ao setor olivícola na Extremadura espanhola com novas tecnologias

Sofía Redondo-Redondo1, Manuel Zambrano2, Fco. Ríos-Cadenas2, José M. Duque2, Diego Díaz3, Fátima Chamizo4, Alfonso Montaño1. (1) Centro Tecnológico Nacional Agroalimentario “Extremadura”, CTAEX. (2) Viñaoliva S.C. (3) Río Lacarón S.L. (4) Compañía de investigación y Producción Agroalimentaria, Ceinpa S.A.

23/05/2024
A Real Academia Espanhola define “Doula” como “uma pessoa que presta assistência, orientação e apoio emocional a uma mulher durante a gravidez, o parto e o pós-parto". Com esta filosofia em mente, o Grupo Operacional Regional “Douliva” foi criado para prestar assistência, orientação e apoio ao sector do olival, do azeite e da azeitona de mesa, a fim de melhorar a sua competitividade em todos os elos da cadeia de valor. Para atingir este objetivo, a Douliva uniu-se ao principal agrupamento cooperativo da Extremadura, Viñaoliva, à empresa olivícola Río Lacarón, à empresa tecnológica IAS365 e ao Centro Tecnológico Agroalimentar Nacional CTAEX.
Imagen

O olival na Extremadura encontra-se atualmente no seu melhor momento histórico, uma vez que os atuais hectares de olival ultrapassaram os 292.400 hectares em 2022, dos quais mais de 67.344 hectares, 23%, está sob irrigação. Cerca de 91% são declarados como azeitona de lagar, enquanto 8% são declarados como olivais para azeitona de mesa. Em 2022, o olival na Extremadura cresceu a um ritmo superior a 10 ha por dia, com as previsões para 2023 e 2024 a revelarem uma evolução ainda mais acelerada. Nos últimos 10 anos, os olivais de regadio em Badajoz aumentaram mais de 22.000 ha e em Cáceres em quase 4 000 ha.

A este ritmo a Extremadura poderia atingir 300.000 hectares até ao final deste ano, dos quais 75.000 hectares irrigados. O motivo não é apenas a modernização do olival, mas também o facto de ser uma cultura de “refúgio” para muitos agricultores que não encontram rentabilidade no milho ou no tomate, nem a tranquilidade de ter água todos os anos para outras culturas, como o arroz.

Toda esta produção tem de ser transformada pelos 137 lagares de azeite (o maior número da história recente) e pelas 99 indústrias de transformação da Extremadura. Apesar deste aspeto muito positivo para a economia estremenha, o olival e as indústrias que transformam a sua produção apresentam várias debilidades e ameaças que reduzem a sua competitividade na produção e comercialização dos azeites e azeitonas de mesa obtidos quando comparados com com outras zonas olivícolas do país.

No entanto, a situação olivícola da Extremadura é radicalmente diferente quando se analisa cada província separadamente:

  • Badajoz tem 234.118 ha de olival, dos quais mais de 26% são de regadio. Nesta província, os olivais mais competitivos do mundo encontram-se nas zonas de planície e de regadio, em quadros super-intensivos e com capacidade para produzir 1,5 t de azeite/ha, enquanto nas zonas de montanha os olivais são pouco competitivos e têm um elevado valor ambiental, de bem público e paisagístico. A produção de azeitona de lagar ultrapassa os 500 milhões de quilos e a de azeitona de mesa cerca de 80 milhões de quilos, principalmente a Manzanilla de Sevilla. A tendência nos últimos anos tem sido o aumento da superfície dos olivais de regadio, mas também para a diminuição dos olivais de sequeiro, que se estaria a transformar num olival mais competitivo.
  • Cáceres tem 58.130 ha de olival, dos quais apenas pouco mais de 10% são irrigados e a superfície está a diminuir, principalmente devido ao abandono dos olivais de montanha. Esta província não se caracteriza pelos seus grandes olivais em quadros super-intensivos, mas sim pelos seus olivais de montanha, com variedades rústicas que são a marca da sua produção olivícola, principalmente a Manzanilla Cacereña, com baixo rendimento em gordura e utilizada principalmente para azeitonas pretas oxidadas. A produção anual da província situa-se entre os 50 e os 100 milhões de quilos de azeitona de lagar e os 60 e os 80 milhões de quilos de azeitona de mesa. O elevado nível de vinhas faz com que o leque de produção seja amplo.

O olival da Extremadura não se limitará a fornecer azeitonas

A evolução da cultura da oliveira na Extremadura nos últimos 20 anos foi muito grande. A olivicultura teve uma importância primordial do ponto de vista ambiental, paisagístico, histórico, cultural e antropológico, com uma preocupação com preservar as tradições e a biodiversidade locais (variedades locais) e para evitar uma grave erosão dos solos.

Do ponto de vista da sustentabilidade, a olivicultura tem um baixo impacto ambiental e um elevado valor social, mas é geralmente pouco rentável (ou seja, os olivais são mantidos por mão de obra familiar não remunerada), embora os lucros sejam muitas vezes partilhados por pequenas comunidades e famílias para as quais representam uma importante (se não a única) fonte de rendimento. Estes olivais tradicionais, muitos dos quais são de altitude e de sequeiro, são os mais vulneráveis a futuras alterações climáticas.

Nos últimos anos, o olival de regadio, em quadros intensivos e superintensivos, tornou-se a principal cultura de regadio, ultrapassando a cultura do milho em 2018. Além disso, este tipo de olival atingiu um nível de competitividade muito elevado. O provavelmente mais competitivo olival do mundo está localizado nas planícies férteis do rio Guadiana.

De um ponto de vista social, foi proposta uma relação direta entre a intensificação e a noção de desterritorialização, na medida em que os sistemas agrícolas intensivos estão menos enraizados nos conhecimentos tradicionais, nas peculiaridades e nas ecologias regionais do território e da comunidade.

Por outro lado, tem sido descrito que o potencial de sequestro de carbono dos olivais aumenta com a intensificação da plantação, embora com algumas exceções, devido à maior biomassa produzida em resposta ao maior volume de água utilizados na rega. A competitividade não tem de ser incompatível com a sustentabilidade nem com a procura do cumprimento das linhas estratégicas da nova PAC, reduzindo o impacto ambiental, possibilitando a conversão do olival em sumidouro de carbono e favorecendo a biodiversidade através de práticas culturais.

Figura 1. Imagem corporativa do Grupo Operacional Douliva

Figura 1. Imagem corporativa do Grupo Operacional Douliva.

I&D&I fornecerá soluções e melhorias neste projeto

Estas fraquezas assentam na necessidade de procurar uma maior competitividade e sustentabilidade do olival, a fim de se tornar num instrumento contra as alterações climáticas, e de o estender ao longo das cadeias de valor da azeitona, tanto no lagar como nas indústrias de preparação e aromatização. Isto é ainda mais importante tendo em conta os efeitos das alterações climáticas, que devem levar os olivicultores a tomar medidas para garantir que os seus olivais se mantenham competitivos e que o volume e a qualidade da sua produção não sejam afetados.

Por seu lado, a digitalização é cada vez mais necessária para poder tomar decisões através de sistemas objetivos que minimizem os riscos e as perdas (não só perdas económicas, mas também perdas de produtos de qualidade superior que podem ser reduzidos a produtos não embaláveis). Não é apenas importante medir e quantificar, mas também transferir a informação de uma forma rápida, eficiente e compreensível para a tomada de decisões.

A isto acresce a necessidade de dotar o sector de novos serviços inovadores que demonstraram grande potencial nos últimos anos, como a tecnologia NIR que, com os primeiros estudos preliminares realizados pela Viñaoliva, demonstrou (1) eficácia como ferramenta rápida para a análise de azeitonas de mesa inteiras, sem destruir a amostra, (2) capacidade de detetar e diferenciar amostras com elevados teores de pesticidas e MOSH-MOAH em azeitonas frescas e (3) analisar a salmoura sem necessidade de reagentes. Além deste projeto, a técnica PCR é útil para a deteção precoce de pragas e doenças no olival e para o controlo da fermentação.

Este projeto visa mostrar ao sector da produção de azeitona de mesa e de azeite virgem extra que as ferramentas desenvolvidas nos últimos anos, de fácil aplicação e implementação, lhe permitirá aumentar a competitividade da indústria, aumentar a segurança alimentar, verificar a qualidade da produção e também ser mais sustentáveis.

Para tal, foi apresentado o projeto inovador intitulado “Melhorar a competitividade e a sustentabilidade das cadeias de valor da azeitona de mesa e do azeite virgem da Extremadura”, claramente centrado em proporcionar aos diferentes elos da cadeia de valor do azeite e da azeitona de mesa inovações tecnológicas, novos serviços, melhorias de fácil e barata implementação, e como tornar as suas actividades económicas mais competitivas e mais sustentáveis. Para tal, manuais, conferências, artigos e demonstrações serão o foco de todas as ações que constituem a espinha dorsal deste projeto.

Fotografia 1...

Fotografia 1. Imagem de uma das ações de demonstração de práticas agrícolas de gestão de coberturas vegetais para favorecer a manutenção do solo nas parcelas da empresa Río Lacarón.

Desafios atuais para melhorar o futuro do olival na Extremadura

O potencial de produção da Extremadura, especialmente de Badajoz, permitirá, num ano climatericamente ótimo, bater sem dificuldade o seu recorde de produção de azeite virgem nas duas províncias (figura 2). Mesmo com este aumento da produção, será difícil ultrapassar o quinto lugar da produção nacional. No entanto, fará com que a Extremadura possa produzir mais de 3% do azeite mundial. Mesmo com esta campanha ainda não encerrada, Badajoz poderá terminar com a sua segunda melhor colheita de azeites virgens. (figura 2).

Figura 2. Evolução da produção de azeite virgem na Extremadura nos últimos anos...

Figura 2. Evolução da produção de azeite virgem na Extremadura nos últimos anos. Elaborado pelos autores com base em dados do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação (MAPA). Para a campanha de 2023-24, trata-se de estimativas, uma vez que a campanha está prestes a terminar na região.

No entanto, não é apenas o aumento da produção que é positivo, mas também a qualidade. Ao contrário de outras províncias, como Jaén, tanto Badajoz como Cáceres produzem mais azeite virgem extra (AOVE) a cada ano. Se olharmos para os dados do MAPA dos últimos 20 anos, e ajustando as categorias comerciais existentes na legislação anterior, podemos ver, na figura 3, que Badajoz reduziu a quantidade de azeite com defeitos, não o AOVE, para produzir azeites sem defeitos. O mesmo aconteceu em Cáceres (figura 4), uma província que, há 20 anos, produzia apenas um em cada três litros da categoria AVOE, atualmente produz dois em cada três.

Figura 3. Evolução qualitativa da produção de azeite virgem na província de Badajoz. Elaboração própria com base em dados do MAPA...

Figura 3. Evolução qualitativa da produção de azeite virgem na província de Badajoz. Elaboração própria com base em dados do MAPA.

Figura 4. Evolução qualitativa da produção de azeite virgem na província de Cáceres. Elaboração própria com base em dados do MAPA...

Figura 4. Evolução qualitativa da produção de azeite virgem na província de Cáceres. Elaboração própria com base em dados do MAPA.

No entanto, apesar de estarmos no bom caminho e de estarmos a colher os frutos das melhorias na indústria, no cultivo e na formação dos trabalhadores, há ainda desafios a vencer:

  • A produtividade do campo precisa de ser melhorada: como se pode ver na figura 5, a Extremadura tem uma baixa produtividade nos seus olivais. De acordo com os dados médios e a superfície dos olivais, a Extremadura produz, em média, 240 kg de azeite por hectare, em linha com Castilla la Mancha. No entanto, encontram-se muito atrás outras regiões autónomas, como Navarra ou La Rioja, regiões com olivais mais competitivos. Embora os dados possam ser imprecisos devido ao fluxo de azeitonas para outras regiões autónomas, mostram uma tendência, uma necessidade de melhorar a produtividade. Esta baixa produtividade pode estar relacionada com a nutrição do olival. A nutrição e as condições de cultivo ótimas poderiam melhorar a produção de azeite, porque, se compararmos a superfície da Extremadura com a elevada produção de azeite de outras comunidades autónomas, verificamos que a azeitona da Extremadura tem um baixo rendimento industrial. E isto não se deve apenas a variedades como a Manzanilla Cacereña, cujo fruto tem um baixo teor de azeite, ou aos olivais superintensivos, pela mesma razão, mas em geral, é necessário melhorar a nutrição do campo, de uma forma sustentável e económica. Temos uma grande área de olival que tem de ser mais competitiva, produzir mais de uma forma sustentável é fácil com a introdução de práticas agronómicas que serão mostradas neste projeto.
  • É necessário aumentar a superfície de olivais biológicos: a Extremadura possui qualidades importantes para diferenciar a sua produção como biológica. No entanto, os olivicultores não confiam neste sistema de gestão dos olivais e, embora a perda de superfície tenha abrandado nos últimos anos, não se registou uma retoma nem um aumento notável das futuras plantações de olivais biológicos. A causa não deve ser apenas a perda de produtividade e as desculpas com os subsídios, devendo ser feitos esforços para comunicar e divulgar o facto de que, se bem gerido, um olival biológico não tem necessariamente menos produtividade do que um olival convencional (Figura 6).
Figura 5. Estimativa da produção de azeite por hectare por Comunidade Autónoma entre as campanhas 2017/18-2022-23...

Figura 5. Estimativa da produção de azeite por hectare por Comunidade Autónoma entre as campanhas 2017/18-2022-23. Elaborado pelos autores com base nos dados do MAPA.

Figura 6. Produtividade comparativa entre olivais convencionais e biológicos. Fonte: MAPA

Figura 6. Produtividade comparativa entre olivais convencionais e biológicos. Fonte: MAPA.

  • Controlo mais eficaz das pragas e doenças, através da prevenção e de tratamentos eficazes: a sustentabilidade do olival e, sobretudo, a aposta no olival biológico, passa pelo desenvolvimento de ações de combate às fragilidades desta forma de gestão. As pragas e doenças, como a sarna da oliveira e a azeitona sabão, têm um impacto significativo em todos os olivais. Este facto leva o olivicultor a utilizar excessivamente produtos químicos para prevenção, mesmo quando não é necessário. Por conseguinte, devem ser desenvolvidas ferramentas que permitam a deteção precoce e o tratamento em função dos riscos. Uma solução ou ajuda para esta necessidade evidente e este desafio futuro é a ferramenta PCR, que pode detetar o crescimento e o ataque de Repilo e/ou Colletotrichum antes do aparecimento dos sintomas. Esta é a única forma de reduzir a aplicação de pesticidas químicos e de tornar a olivicultura mais sustentável.
  • Melhor controlo da apanha da azeitona: o aumento da produção de azeitona na Extremadura não só aumenta a quantidade de azeitona que entra nos lagares ou nas máquinas de moagem, como também a concentra ao longo do tempo. A utilização de ceifeiras-debulhadoras, tanto nos olivais de sebe para azeitona de mesa como para os lagares, é uma prática corrente nos novos olivais. A este facto acresce o aumento de trituradores de troncos e ramos, que duplicaram ou quadruplicaram a capacidade de colheita por pessoa.

Por conseguinte, é necessário melhorar a organização da colheita, tanto para a azeitona de mesa como para o lagar. Acima de tudo, é necessário que o agricultor disponha de um método objetivo que lhe permita indicar não só se as azeitonas estão maduras ou aptas para uso comercial, mas também prever quando o estarão. Isto ajudará a organizar a colheita, tanto em parcelas grandes como em parcelas pequenas, ao identificar as que amadurecem mais cedo, a fim de evitar perdas de tempo de deslocação entre parcelas distantes, bem como para reduzir custos desnecessários de transporte de veículos e máquinas. A nível industrial, saber como as azeitonas estão a amadurecer ajudará a planear a época. Na campanha de moagem de azeitona de 2021/22 foram batidos todos os recordes de produção, com a maior entrada diária de azeitonas alguma vez registada. Em novembro de 2021, o azeite foi produzido a um ritmo de 12 litros por segundo e, em dezembro, a 20 litros por segundo. Na campanha de 2023-24 na província de Badajoz produziu-se mais de 10 litros por segundo diariamente em novembro e dezembro.

Da mesma forma, no caso das azeitonas de mesa, embora nesta última campanha de 2023-24 tenha havido muito pouca azeitona verde, na campanha de 2022-23 foram levadas mais azeitonas do que nunca para as cooperativas de Viñaoliva para serem prensadas, muitas delas sem qualidade suficiente para um produto de qualidade superior. Por isso são necessários sistemas objetivos para decidir se um lote de azeitonas é adequado ou não, e para que destino é adequado, a fim de ser competitivo, reduzir custos e defender a qualidade dos produtos obtidos.

Fotografia 2...

Fotografia 2. Pormenor da colheita de azeitona da parcela de ensaio para a análise das práticas agrícolas e das condições climáticas nas características dos AOVE.

  • Método de controlo rápido da azeitona de mesa, sem reagentes químicos e em todas as indústrias: a tecnologia NIR com o Olivescan 2 da FOSS para azeitonas de lagar está a demonstrar, graças à investigação em que a Viñaoliva esteve envolvida desde o início, ser um importante método rápido aplicável também à azeitona de mesa. Os primeiros resultados mostraram que é possível diferenciar qualidades para obter o máximo valor acrescentado. Este equipamento nunca fora antes utilizado para azeitonas de mesa, mas dois anos de investigação demonstram que seria uma solução importante para:
    • A caraterização da azeitona fresca e da azeitona fermentada: cor, calibre, dureza e moagem são fundamentais para determinar o seu destino comercial.
    • A análise da salmoura: conhecer a concentração de sal, o teor de açúcares, a acidez, o pH, etc. é vital para corrigir e avaliar o correto desenvolvimento da fermentação. Com o equipamento NIR, a Viñaoliva iniciou investigações nas quais se obtiveram correlações prometedoras que devem ser avalizadas e clonadas noutros equipamentos, ou seja, devem ser avaliadas a nível industrial e a sua eficácia deve ser comparada em diferentes indústrias do grupo.

Estes desenvolvimentos não aconteceram em nenhum outro lugar do mundo, e a Viñaoliva é pioneira na análise NIR do processo da azeitona de mesa. Será através deste Grupo Operacional que este novo serviço poderá ser oferecido a todo o sector para comprovar o seu valor.

  • As alterações climáticas e os seus efeitos na produção de azeitonas: A principal causa das alterações climáticas é a acumulação de gases com efeito de estufa na atmosfera. Entre estes, o CO2 (1) é a principal causa dos efeitos que estão a modificar as condições climáticas. Isto conduziria a vários efeitos possíveis:
    • Na fase endodormatia da oliveira, a ausência de frio invernal pode afetar a floração.
    • Na altura da floração, registam-se fenómenos de temperatura elevada devido ao aumento da temperatura média na primavera.
    • A falta de precipitação em momentos cruciais do ciclo da oliveira pode causar um stress hídrico significativo.
    • Podem também registar-se mudanças nos ataques das pragas e doenças ao olival, bem como na fauna auxiliar que protege naturalmente o olival.
Fotografia 3. O projeto relacionará a temperatura do solo com a composição e a produtividade das oliveiras cultivadas nesses solos...

Fotografia 3. O projeto relacionará a temperatura do solo com a composição e a produtividade das oliveiras cultivadas nesses solos.

  • Utilização de composto nos olivais: os olivais correm um risco elevado de erosão e desertificação devido ao baixo teor de matéria orgânica e à reduzida cobertura vegetal, juntamente com uma lavoura de elevada intensidade, que conduz a uma maior diminuição do teor de carbono orgânico do solo. Num contexto de alterações climáticas, o sequestro de carbono através da gestão de resíduos no âmbito de uma economia circular é de extrema importância para os solos agrícolas mediterrânicos de sequeiro.

Custos de produção na cadeia do azeite e da azeitona de mesa: a competitividade destes dois sectores depende do controlo e da redução dos custos de produção, um desafio que será fundamental e complexo nos próximos meses, dada a situação macroeconómica de inflação, aumento dos custos dos fatores de produção, da eletricidade e do abastecimento.

De acordo com o estudo do Observatório da Cadeia Alimentar do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação (MAPA) sobre os custos da cadeia de valor do azeite, estes situam-se em cerca de 0,27 euros/kg de azeitona moída. Com estes custos, a margem de lucro era praticamente nula, uma vez que o azeite era vendido ao mesmo preço a que era comprado ao olivicultor. A situação de aumento dos custos, nomeadamente de eletricidade, tornará muito difícil a viabilidade de muitos lagares, que não poderão suportar os custos de eletricidade. A centrifugação é a prática de maior consumo, seguida da moenda. A competitividade do sector nos próximos anos dependerá da adaptação dos consumos, produzindo mais azeite com um consumo de eletricidade razoável.

(1) Os principais gases com efeito de estufa na atmosfera da Terra são o vapor de água (H2O), o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4), o óxido nitroso (N2O) e o ozono (O3).

Objetivos e metas deste grupo operacional

Depois de evidenciar os problemas e desafios do sector da azeitona, do azeite e da azeitona de mesa, o principal objetivo do consórcio é reforçar a competitividade através da implementação de soluções digitais ou digitalizáveis que ajudem a reduzir o impacto das alterações climáticas na olivicultura e nos seus produtos e assegurar uma gestão tão sustentável quanto possível das cadeias de valor do azeite e da azeitona de mesa.

  • Para atingir este objetivo principal, foram definidos objetivos secundários:
  • Implementar uma ferramenta digital para monitorizar e prever a maturação da azeitona de mesa e da azeitona de lagar, a fim de determinar a data de colheita, dar prioridade às parcelas de colheita e organizar a entrada da colheita nas fábricas.
  • Desenvolver práticas de olival sustentáveis que reduzam 30% a necessidade de aplicações fitossanitárias, diminuam a dependência de fertilizantes inorgânicos e reduzam o impacto das alterações climáticas na produção de azeitona.
  • Demonstrar a nível industrial os primeiros resultados da tecnologia NIR, uma técnica rápida que não gera reagentes.
  • Implementação da ferramenta PCR para a deteção precoce de doenças nos olivais e controlo da fermentação da azeitona de mesa.
  • Reduzir o consumo de água nos lagares de azeite para diminuir 30% a produção de alpechín e aumentar o teor de fenol dos azeites virgens em 15-25%.
  • Redigir manuais de sustentabilidade para difundir soluções fáceis de aplicar nos olivais e outro sobre o controlo da azeitona durante a maturação.
  • Difundir os resultados na rede rural da Extremadura através da implementação e exploração dos resultados.
  • Manter o projeto vivo e dinâmico para que os resultados cheguem ao sector de forma periódica e rápida. Além disso, o trabalho de divulgação será planeado de forma a que o projeto seja interativo durante o seu desenvolvimento e permita a participação e visualização durante a execução das atividades.

Membros e apoiantes do projeto

O consórcio é constituído pelas empresas Viñaoliva S.C. como líder, a empresa IAS365 e Río Lacarón S.L. Como Centro Tecnológico, o CTAEX participa colaborando na execução das atividades, ações e análises. As Cooperativas Agroalimentares da Extremadura e a Associação Espanhola de Maestros e Operários de Almazara (Aemoda) são membros colaboradores.

Fotografia 4...

Fotografia 4. A execução das ações do projeto conta com a colaboração no planeamento com as empresas de maquinaria e serviços das empresas beneficiárias, como é o caso da Amenduni para os ensaios do lagar de Viñaoliva. Na fotografia, da esquerda para a direita, Sofía Redondo-Redondo (CTAEX), Alfonso Montaño (CTAEX), Manuel Zambrano (Viñaoliva) e Aurelio Mesa (Amenduni).

Financiamento e apoio a este projeto

O Projeto de Inovação é cofinanciado pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER), 80% no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) da Extremadura 2014-2022, na medida 16 “Cooperação”, submedida 16.1 “Ajudas à criação e funcionamento de grupos operacionais da AEI em produtividade e sustentabilidade agrícola”, sendo o restante cofinanciado pela Comunidade Autónoma da Extremadura (16,28%), e pelo Estado Espanhol através do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação (3,72%).

O Grupo Operacional criou uma página web na qual todos os interessados podem estar a par dos avanços, manuais, artigos e ações de divulgação. Pode consultar este site e os de outros grupos operacionais regionais no seguinte link: https://observatorioagroalimentario.com/proyectos/GOR/

foto

REVISTAS

VI ForumExployo Vit

NEWSLETTERS

  • Newsletter Agriterra

    19/06/2024

  • Newsletter Agriterra

    12/06/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial