Os controladores de nivel
Informação profissional para a agricultura portuguesa

Santa Maria Wine Lab

Rui Andrade, viticultor e defensor do património vinícola da ilha de Santa Maria

29/05/2024

O Céptico, marca atribuída aos vinhos que são o resultado do projeto Santa Maria Wine Lab, e que no dia 18 de maio chegaram ao mercado, faz justiça a todos aqueles que durante quase 600 anos trabalharam nas fascinantes vinhas da ilha de Santa Maria.

A prioridade foi dada às “castas nobres”, como a Touriga Nacional, Fernão Pires ou Bastardo, e, sobretudo, às “castas nobres açorianas” como o Verdelho, o Arinto dos Açores e o Terrantez do Pico.
O envolvimento dos produtores foi essencial para se fortalecerem conhecimentos e boas práticas em viticultura e enologia
Vinhas da Baía de São Lourenço

Vinhas da Baía de São Lourenço.

A ilha de Santa Maria teve no dia 18 de maio os seus primeiros vinhos certificados com a Indicação Geográfica Açores. Mas não se pense que só agora a viticultura deu os seus primeiros passos nessa ilha - são quase 600 anos de uma viticultura muito diferente do habitual, realizada em condições extremas e que, apesar de algum abandono, tem conseguido persistir no tempo.

Acredita-se que os primeiros bacelos tenham sido plantados ainda no século XV, com a chegada dos portugueses a esta ilha, a primeira a ser descoberta e a ser povoada no arquipélago dos Açores.

A virtuosa obra “Saudades da Terra”, escrita por Gaspar Frutuoso cerca de 150 anos após o povoamento, dá-nos notas muito importantes da forma como as primeiras gerações a viver na ilha desbravaram as terras e as distribuíram. Para a cultura da vinha foram destinadas as íngremes encostas, enquanto para o trigo, essencial à sobrevivência, foram reservados os terrenos mais planos e acessíveis.

A viticultura heroica da ilha de Santa Maria

Vinhas do Desterro - São Lourenço

Vinhas do Desterro - São Lourenço.

Falamos de vinhedos plantados em socalcos desde as baixas do mar até onde a encosta permitiu o seu cultivo, com uma inclinação superior a 45º e sem qualquer tipo de mecanização. Um tipo de viticultura peculiar que ainda existe em algumas partes do mundo, e que a Organização Mundial da Vinha e do Vinho definiu como Viticultura Heroica.

Para além disso, as vinhas da ilha de Santa Maria conferem à paisagem uma beleza singular e fascinante. Uma mistura entre as paisagens vinhateiras do Douro e da ilha do Pico, também elas de extrema beleza e reconhecidas pela UNESCO como património mundial da humanidade.

Apesar de se verificar algum abandono, São Lourenço e Maia são as baías da ilha onde a atividade vitivinícola ainda persiste e onde podemos contemplar o impressionante rendilhado em pedra basáltica que delimita cada uma das suas parcelas.

Cada propriedade encontra-se alinhada longitudinalmente ao longo da vertente, de forma a que cada proprietário tenha as mesmas condições edafoclimáticas para a sua produção. Tem acesso próprio, em degraus, e é dividida pelos chamados currais ou quarteis, que são, por norma, cada um dos socalcos ou patamares onde estão plantadas as videiras e onde estas são conduzidas de forma a ficarem expostas ao sol, como se de um painel solar se tratasse.

Todas as paredes que delimitam a área do terreno são contruídas com pedra basáltica e têm ainda a função de fazer o abrigo necessário às plantas, quer ao vento, quer à ressalga vinda do mar em dias de tempestade. São as chamadas “paredes de pedra seca”, que tão grande espetacularidade atribuem à paisagem, e que causam admiração a qualquer ser humano que as contemple.

Atualmente estas baías vinhateiras são também zonas balneares de excelência, as antigas adegas e lagares deram lugar a casas de veraneio e as antigas veredas a trilhos para a prática de pedestrianismo. Podem-se também aqui observar alguns lagares primitivos, do tipo rupestre, únicos nos Açores e que são também prova inequívoca de que a viticultura se faz desde muito cedo.

No século XIX, tal como em toda a Europa, a filoxera fez também aqui os seus estragos e foi ponto de viragem para uma nova fase da viticultura. Nos Açores foi a fase do chamado “Vinho de Cheiro”. Em substituição das castas autóctones é introduzida a casta americana “Isabella”, que no caso da ilha de Santa Maria se adaptou muito bem, sobretudo pela sua excelente exposição solar, o que lhe permitia obter graduações de álcool consideráveis. Muito desse vinho de cheiro foi inclusivamente exportado para a vizinha ilha de São Miguel, por nessa ilha não se conseguir obter essas graduações.

A fase do vinho de cheiro duraria aproximadamente 130 anos, deixando mesmo uma marca indelével na cultura açoriana.

A partir de meados do século XX a ilha sofre uma grande transformação. A emigração em massa para os Estados Unidos e para o Canadá, bem como a instalação na ilha de um grande aeroporto que servia a aviação que sobrevoava o Atlântico, fez com que a pouca mão de obra existente na ilha se dedicasse ao setor terciário e a agricultura entrasse em decadência. Por sua vez, o contato mais frequente com o exterior e os novos hábitos de consumo trouxeram também outras bebidas, deixando o vinho de cheiro sem qualquer valor comercial, e consequentemente as vinhas ao abandono.

A singularidade dos vinhos certificados com Indicação Geográfica Açores

Lagar do tipo Rupestre - Maia

Lagar do tipo Rupestre - Maia.

A partir dos anos 80 do século passado, algumas tentativas de recuperação das vinhas foram feitas, mas sem sucesso. Apenas em 2018 surge o Projeto de Valorização das Paisagens Vinhateiras de Santa Maria, coordenado pelo Município de Vila do Porto. Um projeto com interdependências a nível ambiental, agrícola, cultural, social e turístico que contou com a parceria de diversas entidades públicas, privadas e associativas, locais e regionais.

De entre várias atividades realizadas, destaca-se a candidatura apresentada pelo Agromariense Coop ao Programa Operacional Açores 2020, para a contratação de um enólogo e instalação de uma adega de micro-vinificação experimental, com o objetivo de se obter um vinho certificável com Indicação Geográfica Açores. Um projeto piloto que foi denominado de “Santa Maria Wine Lab”, co-promovido pelo Laboratório Regional de Enologia e que teve a duração de dois anos.

Das vindimas de 2022 e 2023 surgiram diversas vinificações a partir das várias castas existentes na ilha e das uvas entregues pelos cerca de 30 produtores inscritos. A prioridade foi dada às “castas nobres”, como a Touriga Nacional, Fernão Pires ou Bastardo, e, sobretudo, às “castas nobres açorianas” como o Verdelho, o Arinto dos Açores e o Terrantez do Pico.

O envolvimento de todos os produtores foi essencial. Durante os dois anos do projeto foram realizadas formações e também visitas a outras zonas vinícolas, de forma a se fortalecerem os conhecimentos e as boas práticas em viticultura e enologia, tendo sempre em vista uma futura profissionalização do setor e, por conseguinte, um aumento significativo da qualidade dos vinhos.

O objetivo principal do projeto não foi somente atingido como foi também superado. Ao Laboratório Regional de Enologia foram submetidos a certificação, pelo enólogo João Letras, não apenas um, mas sim três vinhos. Um branco feito a partir da casta nobre açoriana Verdelho, um branco feito a partir de uvas tintas e um rosé.

Ao olharmos para a paisagem vinícola mariense ficamos incrédulos com o trabalho realizado pelos seus antepassados. Um trabalho admirável que conjuga a natureza e o trabalho do Homem. Uma viticultura árdua que nos faz duvidar da sua continuidade, mas simultaneamente acreditar no seu futuro pela sua singularidade. Foi assim que nasceu o Céptico, a marca atribuída aos vinhos que são o resultado do projeto Santa Maria Wine Lab, e que no dia 18 de maio de 2024 chegaram ao mercado, fazendo justiça a todos aqueles que durante quase 600 anos trabalharam nas fascinantes vinhas da ilha de Santa Maria.

REVISTAS

VI ForumExployo Vit

NEWSLETTERS

  • Newsletter Agriterra

    19/06/2024

  • Newsletter Agriterra

    12/06/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial