Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.
Informação profissional para a agricultura portuguesa

Uva sem grainha conquista consumidores nacionais

Alexandra Costa10/11/2022
É a variedade mais conhecida da Dona Uva que também tem uvas com grainha. A maioria da produção fica no mercado nacional “porque os portugueses reconhecem a qualidade das uvas”.
foto

As previsões para este ano apontam para uma produção de cerca de três mil toneladas de uvas de mesa. Foto: Carlos Ourives e Mário Bernardo.

É mais conhecida pelas uvas sem grainha, mas a Dona Uva é muito mais do que apenas isso. Na verdade, nos 80 hectares que a marca tem na região do Ribatejo e Oeste trabalham, neste momento, cerca de 200 trabalhadores que, até ao fim de novembro, apanham, manualmente, os cachos de uva que serão vendidos um pouco por todo o País. No total, naquela que é a primeira e única Organização de Produtores de Uvas de Mesa de Portugal, a Dona Uva – nome inspirado na variedade portuguesa Dona Maria – marca da Frutalmente, é constituída por 10 produtores que, no seu conjunto, têm 200 hectares onde estão plantadas 8 variedades de uva.

As previsões para este ano, revelou Mário Rodrigues, diretor executivo da Frutalmente, apontam para uma produção de cerca de três mil toneladas de uvas de mesa, com 80% das mesmas a serem distribuídas por hiper e supermercados. O restante fica alocado a mercados locais e regionais.

Nos últimos tempos a organização tem vindo a registar um aumento gradual da produção. A prova é que, no ano passado, a mesma fixou-se nos 2,4 milhões de quilos de uva tinta e branca. Questionado sobre as previsões para este ano, Mário Rodrigues afirmou que gostaria de chegar às três mil toneladas. Mas acrescentou que isso até nem poderá acontecer, devido às alterações climatéricas. Um 'nim' ainda no ar.

Por outro lado, o valor de comercialização das uvas da Dona Uva tem vindo a aumentar, fruto do reconhecimento que o consumidor dá à qualidade das uvas. Mas a verdade é que os custos associados à produção também não têm parado de aumentar. E isso também influencia o preço de venda ao consumidor. Porque os produtores não conseguem absorver todos os aumentos. Como refere Mário Rodrigues, tudo tem aumentado. Só os adubos e as caixas de cartão para transporte aumentaram 30%. “Tudo o que envolve o desenvolvimento da planta, subiu. Mais o custo da energia e do transporte até ao cliente", constatou o diretor executivo da Frutalmente.

Sobre o futuro da operação, Mário Rodrigues referiu que o investimento realizado entre 2021 e 2023 deverá ascender a 1,5 milhões de euros, com a marca a prever faturar 4,5 milhões de euros este ano. Valor que representa 45% dos dez milhões de receita inicialmente previstos pela Frutalmente que, no ano passado, faturou 8,5 milhões de euros.

No entanto, isto não é algo que preocupe (em demasia) Mário Rodrigues, que afirma que “aumentando a produção, as vendas sobem e, consequentemente, a faturação”. E a verdade é que a produção tem vindo a aumentar de forma consistente. Como revela o executivo da Frutalmente, no ano passado aumentaram a área de produção em 15 hectares. Este ano aconteceu o mesmo. “Têm sido realizados investimentos dos produtores, que são atualmente dez, ocupando-se mais terrenos e hectares para uma maior produção”, explicou Mário Rodrigues. Algo natural, dado o ciclo de vida das vinhas. “Duram mais ou menos 18 anos”, pelo que “vão sendo renovadas”.

foto

A Dona Uva, marca da Frutalmente, é constituída por 10 produtores que, no seu conjunto, têm 200 hectares onde estão plantadas 8 variedades de uva. Foto: Carlos Ourives e Mário Bernardo.

Com ou sem grainha?

A Dona Uva é mais conhecida pelas suas uvas sem grainha. Mas, em termos de produção, nem são a maioria. Pelo menos para já. Porque, como revelou Mário Rodrigues, a crescente predisposição do consumidor está a ser acompanhada por um aumento da produção. “No ano passado foram 15 hectares sem grainha. O futuro dirá se vamos chegar aos 25”, acrescentando que as uvas para não terem grainha são modificadas geneticamente e que, por isso mesmo, demoram mais tempo a produzir e requerem mais mão-de-obra. O resultado, claro, passa por um preço de venda ao público diferenciado. Diga-se, mais caro. Mas que tem sido aceite pelo consumidor. “sobretudo pelas crianças, porque são mais fáceis de comer. Todos os anos há novas variedades e acho que vão ser o futuro", aponta o executivo.

Mercado nacional absorve a (quase) totalidade da produção

Ao contrário de outros produtos, as uvas de mesa da Dona Uva destinam-se quase na totalidade ao mercado interno. Uma opção da organização. “Temos mercado para produzir internamente e o povo português valoriza as uvas nacionais, ao contrário de países que não têm a tradição da uva de mesa", explica Mário Rodrigues.

Questionado sobre as exportações, o responsável esclareceu que são situações pontuais pelo que não pode fazer previsões. Normalmente acontecem “quando o mercado nacional não dá garantia de escoamento de todo o produto”.

Ao contrário de outros produtos, as uvas de mesa da Dona Uva destinam-se quase na totalidade ao mercado interno. Uma opção da organização. “Temos mercado para produzir internamente e o povo português valoriza as uvas nacionais, ao contrário de países que não têm a tradição da uva de mesa", explica Mário Rodrigues

foto

Mário Rodrigues. Foto: Carlos Ourives e Mário Bernardo.

Embalagens sustentáveis

A pensar no meio ambiente e na “onda” sustentável a marca lançou, no mês passado, a sua nova cuvete 100% reciclável. Trata-se de uma embalagem de cartão com filme termo-selado”. Uma embalagem que, para já, chega ao consumidor através do Lidl Portugal, com a venda da variedade crimson, uva sem grainha.

Sobre esta decisão, Mário Rodrigues refere que “a introdução desta nova embalagem no ponto de venda era um objetivo planeado já há algum tempo, contudo, sendo as uvas um produto bastante sensível, era importante analisar muito bem as várias soluções disponíveis no mercado, para garantir que o produto chegasse aos consumidores com a máxima qualidade. Avançámos agora com uma solução que protege a qualidade das nossas uvas e vai ao encontro das boas práticas de sustentabilidade que defendemos”.

foto
Iaas-UtadAgrogarante - Sociedade de Garantia Mútua, S.A.Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.Atlas – Mediadora de Seguros Lda.Cnema – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas, S.A.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial