Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.
Informação profissional para a agricultura portuguesa
'Latitude Norte: Inovar para crescer"

Prova superada no IV Fórum Internacional das Amendoeiras

13/04/2024

O IV Fórum Internacional das Amendoeiras, organizado pela Agromillora e pela Interempresas Media, reuniu em Huesca mais de 600 profissionais em torno de uma cultura que encontra no norte de Espanha as condições necessárias para continuar a crescer nos próximos anos.

O Centro de Conferências de Huesca acolheu o IV Fórum Internacional das Amendoeiras, que reuniu mais de 600 profissionais do sector...
O Centro de Conferências de Huesca acolheu o IV Fórum Internacional das Amendoeiras, que reuniu mais de 600 profissionais do sector.
No passado dia 29 de março, a cidade de Huesca acolheu a quarta edição do Fórum Internacional das Amendoeiras sob o lema “Latitude Norte: Inovar para crescer”. O Palácio de Congressos de Huesca tornou-se o epicentro de uma cultura em expansão no norte de Espanha, onde encontrou as condições necessárias para continuar a crescer nos próximos anos e tornar-se uma cultura alternativa rentável em linha com os atuais requisitos ambientais.

O dia reuniu centenas de pessoas e ao convite feito pela organização responsável pela Agromillora e pela Interempresas Media responderam mais de 600 participantes. Já na abertura, liderada pelo diretor da Área Agroalimentar da Interempresas, David Pozo, o auditório Carlos Saura estava repleto de participantes, que ouviram o responsável agradecer o apoio de instituições, entidades e empresas que colaboraram na divulgação do evento, com especial menção à Escuela Politécnica Superior de Huesca (Universidade de Saragoça) e ao Centro de Investigación y Tecnología Agroalimentaria de Aragón (CITA), co-organizadores do Fórum, “pelo seu trabalho em prol da inovação e ao serviço do cultivo da amêndoa”.

O evento foi inaugurado por Patricia Pujadas, diretora da revista Olint, uma publicação especializada editada pela Agromillora com 20 anos de história, que referiu que a chave do sucesso da empresa reside na internacionalização e “na procura constante de soluções para uma agricultura rentável e sustentável”. A Agromillora é a força motriz por detrás do sistema de produção SES (Sustainable and Efficient Solutions), que é aplicado ao cultivo de amendoeiras de alta densidade.

Patricia Pujadas, diretora da revista Olint

Patricia Pujadas, diretora da revista Olint.

Lucía Soriano, diretora administrativa do CITA, elogiou o trabalho do centro no desenvolvimento das variedades de amendoeiras como “um dos pilares em que se baseia a expansão desta cultura, não só em Espanha, mas noutras partes do mundo”. Graças ao trabalho dos seus investigadores, o sector tem agora variedades, como a Guara ou o novo porta-enxerto Pilowred, o que permite uma melhor adaptação aos critérios de sustentabilidade que caracterizam o cultivo super-intensivo da amêndoa.

Oportunidades e ameaças ao cultivo da amêndoa

A jornalista Chema Paraled moderou a primeira mesa redonda dedicada ao cultivo de amendoeiras em Espanha e na forma como os mercados internacionais podem influenciar a sua produção e comercialização.

Ferran Huguet, diretor-geral da UNIÓ Nuts, analisou as tendências na produção e consumo de amêndoas nos últimos anos a nível mundial. Salientou que o consumo mundial tem vindo a aumentar desde 2016 e que, tanto a Austrália, como a Califórnia têm aumentado exponencialmente a sua produção.

Ferran Huguet enviou uma mensagem de prosperidade ao sector, concentrando-se nos produtos feitos a partir de leite de amêndoa. “O futuro das amêndoas tem um papel muito importante a desempenhar na produção de alimentos que estão em plena expansão. Não terão uma pegada de carbono tão grande como os produtos lácteos normais”. No que diz respeito às previsões de produção de amêndoas em Espanha e Portugal, Huguet colocou a cultura ibérica em 270 mil toneladas em 2033, em comparação com as 140 mil previstas para a próxima estação 23/24.

Antonio Pont, CEO da Crisol Frutos Secos e Presidente da AEOFRUSE, destacou o papel fundamental das amêndoas orgânicas na competição com outros países. “Temos de acreditar que esta é uma oportunidade, somos os maiores produtores do mundo”. Pont referiu-se à necessidade de criar valor no mercado, “justificando as qualidades e sustentabilidade da cultura. Sabemos como produzir, mas o desafio é que a indústria dê mais valor às nossas amêndoas através do processamento”, concluiu.

Para encerrar a primeira mesa redonda, Ramón Iglesias, Chefe do Serviço de Inovação e Transferência do Departamento de Agricultura, Pecuária e Ambiente do Governo de Aragão, assegurou que a administração pública está empenhada na transferência transversal de conhecimentos através da formação, da rede de experimentação agrícola, de grupos de cooperação e do trabalho de centros tecnológicos de referência, como o CITA. Salientou também a importância de prestar aconselhamento técnico aos jovens agricultores que estão a começar na agricultura e alertou para a necessidade de afinar os custos e a rentabilidade “ou as explorações agrícolas irão fechar”.

Intensificação sustentável, pegada de carbono e digitalização do sector

A segunda mesa redonda abordou o papel das novas tecnologias na agricultura e como podem ser utilizadas para aumentar a rentabilidade e eficiência no cultivo da amêndoa.
Ignasi Iglesias, diretor técnico do Grupo Agromillora, refletiu sobre a ideia de produzir mais com menos e advertiu que “há um aumento no custo da mão-de-obra devido à falta de oferta”. Iglesias salientou a necessidade de reduzir os custos de produção e fazer progressos na eficiência da cultura.
Na linha das novas tecnologias e da sua utilização eficiente no campo, Emilio Gil, Professor da Universidade Politécnica da Catalunha, centrou-se na importância de tornar estas tecnologias disponíveis aos agricultores de uma forma real. “Menos de 10% dos agricultores europeus têm menos de 40 anos, existe uma idade média muito elevada, que pode dificultar a boa utilização da tecnologia: os jovens são o futuro”.
Os especialistas que participaram no debate sobre a nova cultura da amêndoa concordaram com a importância da transferência de conhecimentos...
Os especialistas que participaram no debate sobre a nova cultura da amêndoa concordaram com a importância da transferência de conhecimentos.

Camino Arroyo, Diretor-Geral Adjunto de Frutas e Legumes e Viticultura do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação (MAPA), disse que a nova PAC “pode causar um pouco de vertigem, mas há muito trabalho que já foi feito”, referindo-se aos 20% da superfície de amêndoa orgânica cultivada em Espanha ou que 92% do consumo de água nesta cultura é realizado por sistemas de irrigação localizada.

Lola Gómez, professora na Universidade Politécnica de Cartagena e diretora da Plataforma SynergyNuts, referiu-se ao objetivo da sustentabilidade e à forma como este desafio pode ser resolvido através da gestão de culturas biológicas e da utilização de culturas de cobertura. “Requer paciência, em termos de tempo e custos, mas no final torna-se visível uma redução dos pesticidas e fertilizantes”, disse.

Sistemas anti geada, melhoramento genético e novos modelos de financiamento

O jornalista especializado em informação e comunicação agroalimentar, Miguel Ángel Mainar, moderou a mesa redonda onde se discutiu a gestão de culturas, a utilização de nova genética e investimentos para otimizar a rentabilidade das amendoeiras.
Xavier Planas, Diretor Técnico da Raimat, explicou como funciona o sistema de aspersão anticongelante utilizado nesta adega catalã e que, se necessário, fornece uma quantidade de 35 m3 por hectare para proteger as culturas.

Um elemento chave na rentabilidade da amendoeira é a inovação genética. María José Rubio-Cabetas, professora e investigadora da CITA em Aragão e uma referência neste campo a nível nacional e internacional, referiu-se ao novo porta-enxerto Pilowred, adaptado a solos áridos e ao stress hídrico, de baixo vigor, folha vermelha e resistente aos nemátodos.

Xavier Planas (Raimat) e María José Rubio (CITA)
Xavier Planas (Raimat) e María José Rubio (CITA).
Rubio-Cabetas destacou alguns dos marcos no desenvolvimento da cultura, tais como variedades auto-férteis ou de floração tardia e a importância do porta-enxerto Rootpac, da Agromillora, como “uma inovação eficaz e segura para o sector”. Além disso, o investigador da CITA assegurou que as variedades vão influenciar a expansão da cultura nas áreas em risco de geada e informou que “estamos a estudar a arquitetura das variedades para a adaptar durante o processo de cultivo e assim facilitar tarefas como a poda, etc.”.
Finalmente, Pablo Cuesta, diretor da Alboris Mancha, apresentou o seu projeto, que utiliza o crowdfunding para financiar a cultura e onde o investidor é acionista de uma empresa proprietária de plantações e, portanto, recebe dividendos. Este método de financiamento encoraja os clientes a fazer investimentos que talvez não ousassem com um método mais tradicional".

Projetos para liderar a cultura sustentável das amêndoas

José Casanova, professor na Escola Politécnica Superior de Huesca, foi o moderador da última mesa redonda, onde se debateram alguns dos projetos relacionados com a amendoeira em Espanha.

Miguel Ángel Gómez, presidente da Almendrehesa, salientou que não existe um modelo universal para o cultivo da amendoeira e gestão das plantações. “Não funciona da mesma maneira para todos, é necessário conhecer as características da sua plantação a fim de melhor se adaptar a todas as possibilidades que se lhe oferecem”.

Miguel Ángel López, fundador e COO da Iberian Smart Financial Agro (ISFA), concordou com Gómez que “todos os modelos são necessários, não há um modelo para todos”. Sublinhou ainda que “vender amêndoas no estrangeiro não é fácil, é preciso encontrar formas de o fazer”.

Por outro lado, Pablo Vega, Diretor de Operações Agrícolas da TerraNostra Agro, falou sobre a digitalização como um instrumento básico para poder competir no mercado. “A digitalização das nossas plantações permitir-nos-á controlar as nossas culturas ao máximo e ao pormenor, para que possamos aumentar a rentabilidade e provavelmente a produção e qualidade do produto”.
Finalmente, Pedro Sopena, agrónomo e produtor de amêndoas, defendeu a procura de “uma gestão simples, sistemas que possam favorecer o enraizamento da árvore e tendo em conta que, nas zonas húmidas, a água é água da chuva, pelo que devem ser procuradas soluções para os problemas que possam surgir da sua ausência”. Sopena referiu-se à boa gestão da poda como uma prática que pode ser adaptada para fazer um uso eficiente das reservas de água disponíveis.

REVISTAS

Evolya

NEWSLETTERS

  • Newsletter Agriterra

    15/05/2024

  • Newsletter Agriterra

    08/05/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial