Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.
Informação profissional para a agricultura portuguesa
Para o regadio

Fenareg solicita ao Governo a ativação de contratos de eletricidade sazonais

10/07/2024
A Federação Nacional de Regantes de Portugal lembra os casos de Espanha e França que podem ser adaptados ao país.
Imagen

Fenareg pediu ao governo para ativar contratos de eletricidade sazonais para o regadio, avança em nota de imprensa. Para o efeito, a Federação Nacional de Regantes de Portugal enviou um memorando para a sustentabilidade energética do regadio à ministra do Ambiente e Energia e ao ministro da Agricultura e Pescas.

A federação aponta cinco medidas prioritárias: “contratos de eletricidade sazonais; substituição das fontes de energia convencionais por renováveis; programa de eficiência energética do regadio; constituição de comunidades de energia nos sistemas de regadio; e eletricidade verde para 40% a 50% do valor fatura”.

Segundo a Fenareg, “a implementação destas medidas terá um efeito mobilizador e impulsionador para que o processo de modernização dos regadios continue avançando e representaria uma mensagem clara e concreta de apoio aos agricultores”.

A Fenareg relembra que em França sempre existiu esta premissa e que Espanha tornou esta medida efetiva para a agricultura em 2022. No mês passado o prazo da medida de flexibilização temporal dos contratos de fornecimento de energia elétrica foi prorrogado no país vizinho. O enquadramento legal em Espanha permite aos regantes espanhóis alterar a potência elétrica contratada num prazo inferior a 12 meses.

Em Portugal, a potência contratada continua a ser cobrada aos agricultores durante todo o ano, quando na realidade a atividade só ocorre durante seis meses por ano. A limitação está na legislação nacional que apenas permite uma alteração, por ano, do contrato para redução de potência, o que não se adequa às necessidades do setor.

A Fenareg considera que “é urgente encontrar solução para este custo elevado para os agricultores portugueses que resulta do facto de não terem acesso a uma tarifa sazonal e serem obrigados a pagar uma potência que não utilizam”.

Em Portugal, os preços de eletricidade são dos mais altos da Europa e mais de metade da fatura são impostos e taxas, explica a Fenareg. “É fundamental que os agricultores portugueses beneficiem das mesmas condições que os seus pares de outros Estados-membros da UE, mantendo a necessária competitividade no mercado agrícola global”.

REVISTAS

Exployo Vit

NEWSLETTERS

  • Newsletter Agriterra

    10/07/2024

  • Newsletter Agriterra

    03/07/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial